skip to Main Content
(11) 3031-6164 (11) 99003-8847
Bater A Cabeça Para Dormir

Meu bebê tem mania de bater a cabeça para dormir. Isso é normal?

O que leva alguns bebês a bater a cabeça para dormir?

Os pais de bebês muitas vezes dedicam boas horas de suas noites colocando seus filhos para dormir.

Nesse momento, muitos pais podem ser surpreendidos por um comportamento um tanto peculiar: a criança começa a bater a cabeça para dormir, de forma repetitiva e ritmada ou começa a rolar o corpo na hora de dormir ou durante a noite.

Algumas batem a cabeça da cabeceira da cama ou berço fazendo um barulho alto que incomoda os pais.

Apesar de gerar estranheza, em geral é um quadro benigno.

Os pais ficam preocupados que a criança machuque a cabeça, mas é muito incomum que bebês se machuquem ao bater a cabeça para dormir.

Na maioria dos casos, esse comportamento desaparece por si só durante a primeira infância e geralmente não é sinal de qualquer problema de saúde ou de desenvolvimento, sendo bastante comum no sono do bebê.

Como se explica esse comportamento de bater cabeça para dormir?

Bater a cabeça para dormir é um movimento repetido que acontece na hora de dormir ou durante o sono.

Pode se apresentar de diferentes maneiras a depende da posição que a criança esteja:

  1. Se a criança estiver deitada de bruços na cama, levanta a cabeça e, por vezes, parte da parte superior do tronco e depois voltam a cair no colchão.
  2. Estando sentada, bate a cabeça no berço, na parede ou em outro objeto próximo.

O bater a cabeça para dormir acontece num ritmo consistente, acontecendo a cada um ou dois segundos.

O bebê pode se bater a cabeça para dormir por um longo período, mas normalmente dura 15 minutos ou menos.

Em muitos casos, bater a cabeça para dormir é acompanhado por vocalizações, como um zumbido constante.

Se alguém fala com a criança, ela pode interromper temporariamente o comportamento, mas geralmente voltará a bater cabeça para dormir logo depois.

A maioria das vezes, esse comportamento acontece antes de dormir, mas também pode ocorrer enquanto eles dormem. Isso também pode acontecer antes e durante os cochilos diurnos.

Acredita-se que bebês e crianças não percebem quando batem a cabeça.

Quando perguntamos a crianças com idade suficiente para falar na manhã seguinte, elas geralmente não se lembram de ter batido cabeça na noite anterior.

Bater a cabeça para dormir não é o único movimento ritmado relacionado ao sono em bebês

Bater a cabeça para dormir não é o único tipo de movimento repetitivo que pode ocorrer antes e durante o sono.

Exemplos de outros movimentos rítmicos incluem:

  • Balanço do corpo: Uma criança pode mover todo o corpo para frente e para trás enquanto está apoiada nas mãos e nos joelhos ou apenas mover o tronco quando está sentada.
  • Rolar a cabeça: Geralmente ocorre quando a criança está deitada de costas, este é um movimento frequente da cabeça de um lado para o outro.
  • Rolamento do corpo ou das pernas: Este é um movimento lateral do corpo ou apenas das pernas quando deitado de costas.
  • Batida de pernas: Neste movimento, que geralmente ocorre enquanto a criança está deitada de costas, as pernas são levantadas e depois jogadas de volta na cama.

Bater a cabeça para dormir, balançar o corpo e rolar a cabeça de um lado para o outro são os movimentos rítmicos mais comuns.

Algumas crianças podem apresentar mais de um desses movimentos ao mesmo tempo.

O balanço do corpo geralmente começa mais cedo na infância, geralmente começando por volta dos seis meses de idade, enquanto o bater de cabeça para dormir se inicia, em média,  por volta dos nove meses.

POR QUE O BATER A CABEÇA PARA DORMIR ACONTECE EM BEBÊS E CRIANÇAS?

Não se sabe exatamente por que os bebês batem a cabeça ou realizam outros movimentos rítmicos antes ou durante o sono.

As pesquisas existentes sobre esses comportamentos permanecem limitadas, mas existem algumas teorias sobre porque acontece o headbanging:

  • É um meio de se acalmar. Mesmo que o movimento pareça tudo menos relaxante para os pais, sua natureza rítmica pode ajudar a criança a adormecer.
  • É uma forma de autoestimulação. Bater cabeça e ações relacionadas podem ser uma forma de estimular o sistema vestibular da orelha interna, que desempenha um papel importante no desenvolvimento infantil, auxiliando na compreensão do movimento e na obtenção de consciência ambiental.
  • É uma resposta à ansiedade. Embora as evidências dessa visão sejam mais limitadas, alguns pesquisadores acreditam que os movimentos rítmicos são uma forma básica de as crianças muito pequenas lidarem com a ansiedade.

Mais pesquisas são necessárias para determinar se alguma dessas hipóteses explica conclusivamente por que o bater de cabeça acontece em bebês e crianças pequenas.

É  comum um bebê bater a cabeça para dormir?

Movimentos repetitivos, como bater a cabeçapara dormir, são bastante comuns em bebês.

Cerca de 59% das crianças de nove meses costumam bater a cabeça para dormir, balançar o corpo, rolar a cabeça ou fazer movimentos semelhantes.

À medida que as crianças passam para a primeira infância, a prevalência de bater a cabeça para dormir diminui.

Aos 18 meses, movimentos rítmicos são observados em 33% das crianças.

Aos cinco anos, a prevalência cai para apenas 5%.

Devo me preocupar com o fato do meu bebê bater a cabeça para dormir?

O bater a cabeça para de bebês geralmente não é um problema de saúde.

Para a maioria dos bebês e crianças pequenas, os movimentos rítmicos não representam quaisquer problemas para o seu sono ou desenvolvimento.

Embora ver ou ouvir bater a cabeça ou rolar o corpo possa ser preocupante para os pais, raramente é um risco para os filhos.

A exceção é o Transtorno do Movimento Rítmico Relacionado ao Sono.

Esta condição é diagnosticada quando bater a cabeça ou outros comportamentos semelhantes causam ferimentos a uma criança, perturbam significativamente o seu sono ou causam prejuízo durante o dia.

A pesquisa descobriu que apenas 0,34% a 2,87% dos bebês e crianças pequenas têm esse distúrbio.

Como estes dados demonstram, a grande maioria das crianças que se envolvem em comportamentos rítmicos e repetitivos não têm Transtorno do Movimento Rítmico Relacionado ao Sono.

É improvável que mesmo crianças com esse transtorno causem lesões autoprovocadas graves, desde que sejam tomadas precauções básicas de segurança.

No entanto, eles têm mais interrupções do sono, menor qualidade do sono e mais problemas diurnos, como concentração ou memória reduzida.

BATER A CABEÇA PARA DORMIR É SINAL DE UM PROBLEMA DE SAÚDE MAIOR?

É incomum que bater cabeça seja um indicador de um problema de saúde maior.

Embora os pais possam temer que esta atividade seja um sinal de um distúrbio de desenvolvimento ou outro problema, isso raramente acontece.

Para a maioria das crianças, bater a cabeça é uma fase benigna e temporária, sem implicações para o desenvolvimento cognitivo, físico ou emocional da criança.

Em crianças com diagnóstico de Transtorno de Movimentos Rítmicos Relacionados ao Sono, a pesquisa é inconclusiva sobre se existe uma ligação com problemas como transtorno de ansiedade ou transtorno de déficit de atenção/hiperatividade (TDAH).

Nenhuma conexão clara foi estabelecida até o momento, e apenas algumas, não todas, crianças com distúrbio do movimento do sono apresentam sinais de um problema de saúde mental.

Algumas pesquisas indicam que o Transtorno do Movimento Rítmico Relacionado ao Sono pode estar associado à apneia obstrutiva do sono (AOS), uma condição de lapsos respiratórios durante o sono, ou à síndrome das pernas inquietas (SPI), que é marcada por um forte desejo de mover os membros.

Embora todas estas condições possam causar perturbações do sono, a investigação até agora não demonstrou qualquer ligação consistente entre elas.

QUANDO OS PAIS DEVEM FALAR COM UM MÉDICO SOBRE BATER CABEÇA?

Bater a cabeça raramente é uma preocupação médica, mas os pais devem conversar sobre isso com o médico do filho se:

  • Há quaisquer sinais de lesão por bater a cabeça ou outros movimentos repetitivos
  • O filho não dorme o suficiente à noite ou mostra sinais de desatenção, falta de concentração ou dificuldade de raciocínio durante o dia
  • Os movimentos ocorrem durante todo o dia e não apenas antes ou durante o sono
  • O bater de cabeça persiste depois que a criança não é mais uma criança pequena

Na maioria dos casos, o pediatra pedirá aos pais que mantenham um diário do sono de seus filhos, incluindo a frequência com que eles têm episódios de bater cabeça.

Isso pode ser suficiente para determinar se uma criança tem Transtorno de Movimentos Rítmicos Relacionados ao Sono, mas se necessário, o médico pode solicitar outros exames para descartar a presença de outros distúrbios do sono e chegar a um diagnóstico definitivo.

O que os pais devem fazer se um filho costuma bater a cabeça para dormir?

Se os movimentos rítmicos de uma criança não afetam o sono nem causam lesões, os pais geralmente não precisam tomar nenhuma ação específica.

Com o tempo, esses comportamentos normalmente desaparecem por conta própria.

No entanto, se houver sinais de perturbação do sono, os pais devem conversar com o médico do filho para obter orientação.

Em geral, como a maioria das batidas de cabeça são benignas, não há necessidade da intervenção dos pais para tentar impedir esses movimentos.

Fazer isso pode afetar o sono da criança e também pode causar frustração aos pais, uma vez que muitas crianças voltarão rapidamente aos seus movimentos rítmicos.

Os pais que se preocupam com as batidas de cabeça de seus filhos podem seguir medidas básicas de segurança para diminuir o risco de lesões. Isso significa garantir que seu berço ou cama seja bem construído e atenda aos padrões de segurança nacionais.

Verificar regularmente se há danos e certificar-se de que os parafusos estão apertados pode manter o berço estável durante o uso noturno.

Para se protegerem contra a síndrome da morte súbita infantil (SMSL), os bebés com menos de 12 meses de idade devem dormir de costas, num colchão firme e sem objetos macios no berço.

Se o barulho de bater a cabeça ou balançar o corpo incomodar os pais ou outros membros da família, o berço pode ser afastado da parede para minimizar as reverberações.

Uma máquina de ruído branco no quarto da criança pode ajudar a acalmá-la e bloquear distúrbios sonoros que possam acordá-la.

Uma babá eletrônica é uma boa maneira de ficar de olho nas atividades noturnas sem ter que ir fisicamente ao quarto para ver como estão.

O hábito de bater a cabeça para dormir acontece em adultos?

Embora muito raro, o Transtorno do Movimento Rítmico Relacionado ao Sono pode persistir na adolescência e na idade adulta.

Por ser incomum, ainda há muito que permanece desconhecido sobre esse distúrbio em adultos.

Estudos descobriram que adultos com Transtorno do Movimento Rítmico Relacionado ao Sono têm maior probabilidade de apresentar sintomas diurnos significativos.

Os padrões familiares em que vários parentes próximos apresentam o transtorno parecem ser mais comuns em adultos.

Alguns estudos observaram que adultos com Transtorno do Movimento Rítmico Relacionado ao Sono eram mais propensos a ter condições coexistentes como TDAH, distúrbios de saúde mental, autismo ou danos ao sistema nervoso central.

Outros estudos, porém, não identificaram as mesmas associações.

Além disso, muitas pessoas com comportamento anormal relacionado a essas outras condições apresentam movimentos repetitivos ao longo do dia e não apenas antes e durante o sono.

Consideravelmente mais pesquisas serão necessárias para entender o que faz com que o bater de cabeça continue na idade adulta, bem como como e por que o Transtorno do Movimento Rítmico Relacionado ao Sono pode ser diferente em crianças e adultos.

*Fonte: SleepFoundation

Transtorno de Movimentos Rítmicos Relacionados ao Sono

A Classificação Internacional de Distúrbios do Sono III (ICSD-III) descreve Transtorno do Movimento Rítmico relacionado ao Sono como movimentos motores grossos rítmicos, estereotipados e repetitivos, ocorrendo em intervalos de aproximadamente um segundo, predominantemente no início do sono e às vezes durante o sono.

Normalmente, estes envolvem movimentos violentos de balanço ou rolamento de todo o corpo e pode envolver bater uma parte do corpo (geralmente a cabeça) contra uma superfície.

Episódios de os movimentos podem ser breves ou durar até cerca de 20 minutos.

É importante ressaltar que os critérios para o diagnóstico estipulam que esses movimentos devem causar interferência significativa no sono, comprometimento do funcionamento diurno ou lesão real ou potencial para ser classificado como Transtorno de Movimentos Rítmicos Relacionados ao Sono.

Embora ocorra principalmente na infância, o Transtorno de Movimentos Rítmicos Relacionados ao Sono pode persistir na adolescência e na idade adulta.

*Se o seu filho tem dificuldades com o sono, consulte um Neuropediatra Especializado em Sono Infantil.

Dra. Eugênia Fialho é Neurologista Infantil pela Universidade Federal de São Paulo, com especialização em Epilepsia e Medicina do Sono pela USP. Possui títulos de especialista de Pediatria e Neurofisiologia Clínica.
Dra. Eugênia Fialho é Neurologista Infantil pela Universidade Federal de São Paulo, com especialização em Epilepsia e Medicina do Sono pela USP. Possui títulos de especialista de Pediatria e Neurofisiologia Clínica.

 

 

Back To Top