skip to Main Content
(11) 3031-6164 (11) 99003-8847
é Normal O Bebê Ter Espasmos Enquanto Dorme

O sono do bebê

O sono do bebê é diferente do sono dos pais

Muitos pais ficam um pouco angustiados com o padrão de sono do bebê que chega em casa e preocupam-se que seu bebê não esteja dormindo bem.

Bebês têm um ciclo de sono diferente dos adultos e isso pode provocar privação de sono nos pais.

Então, quando falamos de sono do bebê e de crianças pequenas, a primeira coisa a esclarecer aos pais é que é necessário ajustar as expectativas!

Em adultos saudáveis, os padrões de sono são bastante previsíveis e consistentes. Já o ciclo de sono do bebê pode parecer aleatório: o bebê acorda e a adormece a qualquer hora do dia ou da noite.

Ao aprender mais sobre os ciclos de sono do bebê, os pais podem entendê-lo melhor e, potencialmente, aliviar a frustração e a preocupação com o sono dos seus pequenos.

Qual a diferença entre o horário de sono do bebê e de um adulto?

Bebês e adultos têm tempos e momentos de sono diferentes ao longo do dia.

Geralmente, adultos saudáveis dormem pelo menos sete horas por noite, num único bloco de sono praticamente sem interrupções: dormem a noite inteira!

Já o sono do bebê, distribui-se de maneiras diferentes a depender da idade.

Os recém-nascidos necessitam de até 18 horas de sono, divididas em vários períodos curtos, a cada 24 horas.

Aos seis meses, os bebês dormem em média cerca de 13 horas por dia, e os períodos de sono já são maiores.

O sonho de muitos pais é que seu bebê durma a noite toda! E a gente entende isso, pois a privação de sono de pais de bebês e crianças pequenas pode ser exaustiva!

Se o bebê dorme tranquilamente por um período mais longo, os pais terão um tempo maior de sono e poderão descansar.

Os bebês recém-nascidos acordam durante a noite porque ainda não desenvolveram totalmente um ritmo circadiano consistente, que concentra o cansaço na noite, como ocorre com adultos e crianças maiores.

A maioria dos bebês começa a ter um horário de sono mais “adulto” entre três meses e um ano de idade.

Nesta fase da vida, os bebês começam a dormir por períodos mais longos durante a noite e períodos mais curtos durante o dia. No entanto, nem todos os bebês seguem um horário de sono “adulto” na mesma idade.

Os pais não devem se preocupar se o sono do bebê não atingir o esperado “dormir a noite toda” antes de completar um ano de idade.

Mesmo depois de um ano, é comum que muitos bebês acordem pelo menos uma vez por noite. Ou seja: ajuste suas expectativas de ter o “bebê dos sonhos que dorme a noite toda!”

Como é o ciclo de sono do bebê?

As pesquisas em sono identificam dois estágios do sono do bebê recém-nascido e quatro estágios do sono do bebê com mais de três meses de idade.

Os estágios do sono do bebê recém-nascido são o movimento rápido dos olhos (REM) e o movimento não rápido dos olhos (NREM). Os recém-nascidos passam períodos de tempo quase iguais em REM e NREM enquanto dormem.

O estágio do sono REM é frequentemente chamado de “sono ativo” e o NREM é chamado de “sono tranquilo”.

Durante o “sono ativo” ou REM, um bebê pode ser visto fazendo pequenos movimentos. Os olhos do bebê se movem (enquanto fechados), seus membros e dedos podem se contorcer ou sacudir, sua respiração pode acelerar e ele pode mover a boca.

Durante o “sono tranquilo” ou NREM, o bebê fica imóvel e não faz esses movimentos.

Quando o bebê atinge cerca de três meses de idade, ele começa a vivenciar os mesmos estágios do sono que os adultos. Os adultos experimentam quatro fases distintas do sono.

Esses estágios do sono incluem três estágios de sono NREM e um estágio de sono REM. Eles se distinguem pelas seguintes ondas cerebrais:

  • Estágio 1 (NREM 1): ondas alfa e atividade de frequência mista de baixa amplitude
  • Estágio 2 (NREM 2): fusos do sono e complexos K
  • Estágio 3 (NREM 3): ondas delta
  • Estágio 4 (REM): ondas alfa e beta (semelhantes ao estado de vigília)

Os três primeiros estágios do sono são todos estágios NREM.

Os dois primeiros são estágios mais leves do sono, durante os quais a pessoa pode acordar facilmente.

A terceira fase do sono é a mais profunda e é muito difícil acordar alguém nesta fase.

O quarto estágio do sono é o REM, o estágio em que as pessoas têm sonhos. Os adultos vivenciam esses estágios na ordem em que são numerados.

Embora os bebês comecem a experimentar quatro fases de sono por volta dos três meses, só perto dos 5 anos de idade é que a “arquitetura do sono” das crianças, ou o tempo gasto em cada fase do sono, começa a refletir a dos adultos.

Quando bebês, eles experimentam um curto estágio REM quase imediatamente após adormecerem, em vez de no último estágio do ciclo. Em contraste, os adultos não experimentam o REM antes de dormirem por cerca de 90 minutos.

Como os ciclos do sono do bebê progridem à medida que o bebê cresce?

O ciclo de sono de um bebê recém-nascido se enquadra em duas categorias: REM/ativo e NREM/quieto.

Nos primeiros meses de vida, o sono dos bebês é dividido quase igualmente entre as fases do sono REM e NREM.

À medida que o bebê cresce, os seus ciclos de sono progridem e ele começa a passar menos tempo no sono REM.

Eles também começam a vivenciar os três estágios do NREM, em vez de um. À medida que um bebê cresce, seu ciclo de sono se parece cada vez mais com o ciclo de sono de um adulto.

Compreender o ciclo de sono de um bebê é importante para os pais interessados no treinamento do sono.

Como os bebês não nascem com um ritmo circadiano consistente, o treinamento do sono não é possível para a maioria dos recém-nascidos.

Os pais que desejam treinar seu bebê para dormir precisam trabalhar com o cronograma de desenvolvimento exclusivo de seus bebês e podem não conseguir estabelecer um treino de sono até os seis meses de idade.

Quanto sono REM os bebês conseguem?

Os bebês recém-nascidos passam cerca de 50% do tempo dormindo em REM. Como os recém-nascidos dormem até 18 horas em cada período de 24 horas, isso significa que eles experimentam até nove horas de REM por dia.

À medida que o horário de sono de um bebê muda, também mudam seus ciclos de sono. O sono REM do bebê é uma parte do ciclo do sono que muda com o tempo. No entanto, não existe um gráfico simples que descreva a duração do ciclo do sono ou REM por idade.

À medida que os bebês crescem e dormem menos horas, eles passam menos tempo de sono no estágio REM. Na idade adulta, as pessoas experimentam REM em cerca de 20% de cada noite de sono, o que é muito menos do que 50% do sono que os recém-nascidos passam em REM.

Noites Agitadas, Bebês Tranquilos: Entendendo os Despertares Noturnos do Sono do Bebê

sono do bebê

A chegada de um bebê é um momento de alegria e adaptação, mas muitos pais se deparam com a realidade dos despertares noturnos, levantando a questão: é normal os bebês acordarem durante a noite?

Entenda melhor o sono do bebê e porque é normal que ocorram despertares noturnos e aprenda estratégias acolhedoras para lidar com essas noites agitadas, transformando-as em momentos de conexão e conforto.

Entendendo a Normalidade dos Despertares Noturnos do Sono do Bebê:

Uma Parte Inerente do Desenvolvimento Infantil:

É fundamental compreender que os despertares noturnos são uma parte natural do desenvolvimento do sono do bebê.

Os pequeninos atravessam diferentes fases de sono, incluindo ciclos leves e profundos, e acordar durante a noite é uma resposta comum a essas transições.

Dicas para Compreender os Despertares Noturnos:
  • Ciclos de Sono Infantil: Conheça os ciclos de sono do bebê, reconhecendo que acordar durante a noite faz parte do processo de desenvolvimento.
  • Indivíduos Únicos: Cada bebê é único, e a quantidade de despertares noturnos pode variar. O foco principal é observar se o bebê é capaz de voltar a dormir de maneira independente.

Estratégias para Lidar com Despertares Noturnos:

Criando um Ambiente Aconchegante para o Sono do Bebê:

  • Conforto no Quarto: Certifique-se de que o ambiente do bebê seja propício ao sono, com uma temperatura adequada e pouca luz. Isso cria um espaço convidativo para o retorno ao sono.
  • Objeto de Conforto: Introduza um objeto de conforto, como um cobertor macio ou um brinquedo suave, que possa oferecer segurança durante os despertares noturnos.

Estabelecendo Rotinas de Sono Consistentes:

  • Ritual de Dormir Tranquilo: Mantenha uma rotina de sono consistente, com atividades suaves antes de dormir, para sinalizar ao bebê que é hora de descansar.
  • Limitando Estímulos Noturnos: Evite atividades estimulantes antes de dormir, como brincadeiras agitadas, para facilitar uma transição suave para o sono.

Respostas Calmas e Afetuosas no Ritmo do Sono do Bebê:

  • Abordagem Calma: Ao lidar com os despertares noturnos, adote uma abordagem calma e afetuosa. Ofereça conforto, mas incentive a independência no retorno ao sono.
  • Evite Estímulos Excessivos: Durante a noite, evite estimular excessivamente o bebê. Mantenha as interações breves e suaves para não interromper ainda mais o sono.

Transforme os Desafios do Sono do Bebê em Momentos de Carinho

É completamente normal os bebês acordarem durante a noite, e os pais podem abordar esses momentos como oportunidades para fortalecer os laços afetivos e proporcionar conforto.

Ao entender o sono do bebê você perceberá a normalidade desses despertares e será capaz de adotar estratégias gentis para lidar com eles!

Pais conscientes do padrão de sono do bebê podem criar um ambiente propício para o sono tranquilo e promover o desenvolvimento saudável de seus bebês.

A paciência e o carinho são as ferramentas mais poderosas para navegar por essas noites agitadas e transformá-las em momentos de conexão e tranquilidade.

Se você está enfrentando dificuldades com o sono do bebê, consulte um neuropediatra especializado em sono.

Dra. Eugênia Fialho é Neurologista Infantil pela Universidade Federal de São Paulo, com especialização em Epilepsia e Medicina do Sono pela USP. Possui títulos de especialista de Pediatria e Neurofisiologia Clínica.
Dra. Eugênia Fialho é Neurologista Infantil pela Universidade Federal de São Paulo, com especialização em Epilepsia e Medicina do Sono pela USP. Possui títulos de especialista de Pediatria e Neurofisiologia Clínica.

O SONO INFANTIL E SUA RELAÇÃO COM A COGNIÇÃO E O CRESCIMENTO: ARTIGO DE REVISÃO

O sono do bebê desenvolve-se rapidamente durante os primeiros anos de vida e é um processo altamente dinâmico.

Ao nascer, os bebês não têm um ritmo circadiano estabelecido e, portanto, dormem em vários intervalos ao longo do dia e da noite em períodos curtos, o que também pode ser devido às necessidades alimentares dos bebés.

Por volta das 10–12 semanas de idade, os primeiros sinais de ritmo circadiano começam a se desenvolver, marcados por uma maior facilidade para dormir durante a noite.

A mudança na duração total do sono do bebê ao longo de 24 horas continua e diminui de 16 para 17 horas em recém-nascidos, para 14–15 horas às 16 semanas de idade e 13–14 horas aos 6 meses de idade.

Embora a necessidade de sono diurno diminua, a duração do sono do bebê noturno aumenta durante o primeiro ano de vida, resultando numa mudança para padrões de sono mais noturnos.

Estudos sobre o sono do bebê mostram que cerca de 20% a 30% de todos os bebês experimentam despertares noturnos durante os primeiros 2 anos de vida.

No entanto, com o desenvolvimento das crianças, o número de despertares por noite reduz e a capacidade de dormir durante a noite aumenta, com cerca de 50% a 75% dos bebês dormindo durante toda a noite às 12 semanas de idade e pelo menos 90% aos 6 meses de idade.

Apesar da tendência geral de diminuição, os despertares noturnos apresentam os mais elevados níveis de variabilidade em todas as medidas do sono, o que os torna um alvo de investigação interessante para a qualidade do sono do bebê pequeno.

A preocupação de que as crianças não durmam o suficiente existe há mais de 100 anos, com recomendações sobre a duração ideal do sono para crianças sendo fornecidas já em 1897.

A National Sleep Foundation (NSF) recomenda uma duração diária de sono de 14 a 17 horas/dia do nascimento aos 3 meses, 12 a 15 horas/dia dos 4 aos 11 meses, 11 a 14 horas/dia para bebês de 1 a 2 anos, e 10–13 horas/dia para crianças em idade pré-escolar de 3–5 anos.

Em todos os casos, exceto para recém-nascidos até 3 meses, as recomendações mais recentes da NSF aumentaram em pelo menos 1 hora em relação às recomendações anteriores (NSF) devido a alterações relatadas na duração do sono nos últimos anos.

No entanto, muitos bebês e crianças pequenas dormem menos do que o recomendado acima.

A curta duração do sono é particularmente prevalente em países predominantemente asiáticos. Um estudo realizado com cuidadores de 29.287 crianças com idades entre 0 e 36 meses de 17 países relata que a duração total do sono em crianças de países predominantemente asiáticos é significativamente menor do que em crianças de países predominantemente caucasianos.

Além disso, independentemente da faixa etária, as crianças de países predominantemente asiáticos dormem consistentemente menos ou estão no extremo inferior da recomendação da NSF.

O sono é um processo de desenvolvimento altamente dinâmico, particularmente nos primeiros 2 anos de vida, com elevada variabilidade inter e intraindividual.

Embora muitos estudos tenham se concentrado em crianças, a ligação entre variações no sono e resultados de desenvolvimento em bebês saudáveis permanece menos explorada.

No geral, a literatura recente sobre sono infantil destaca que as variações normativas no sono infantil desempenham um papel importante no desenvolvimento cognitivo e no crescimento físico.

Estudos sobre cognição mostram que as diferenças individuais na quantidade e qualidade do sono são particularmente importantes para o desenvolvimento da memória, da linguagem e das funções executivas.

Estudos sobre o crescimento físico indicam o risco potencial de problemas de sono, em particular menor duração do sono no início da vida, excesso de peso, obesidade ou medidas de adiposidade em bebés, crianças pequenas e crianças em idade pré-escolar.

Os resultados desta revisão sobre o sono do bebê estão em linha com as evidências epidemiológicas de estudos em crianças mais velhas e adolescentes, e algumas associações sugerem um impacto persistente para além da primeira infância.

Embora variações normativas no sono habitual em bebês possam ser importantes para o desenvolvimento, a revisão mostrou pouca consistência entre os estudos no que diz respeito ao componente do sono investigado (isto é, duração do sono noturno, cochilos diurnos, despertares noturnos, etc.).

Isto dificulta as comparações de estudos e a generalização dos resultados e pode provavelmente dever-se às diferentes metodologias utilizadas nos estudos.

Muitas ferramentas estão disponíveis para avaliar o sono do bebê e crianças pequenas com diferentes pontos fortes e limitações.

Questionários e diários de sono são econômicos e podem ser administrados a um grande grupo de participantes; no entanto, estas medidas também são mais subjetivas e menos precisas na estimativa dos parâmetros do sono quando utilizadas como medidas isoladas.

Em contraste, a polissonografia e a actigrafia do sono fornecem avaliações mais precisas e objetivas do sono, mas muitas vezes são muito caras.

Embora a polissonografia exija a colocação de eletrodos por equipe especializada e que as crianças passem a noite em um laboratório do sono, o relógio de actigrafia pode ser usado pelas crianças em casa por períodos mais longos e, portanto, é particularmente útil para uma avaliação objetiva do sono do bebê e de crianças pequenas ou ao realizar avaliações do sono em grandes amostras, pois permite a medição não intrusiva do sono no ambiente natural da pessoa.

Portanto, também seria útil que futuros estudos longitudinais incorporassem medidas de sono mais objetivas, como a actigrafia, para pelo menos uma subamostra de participantes.

Ainda assim, surgem desafios específicos mesmo com medidas mais objetivas; por exemplo, diferenças individuais na organização do sono, como adormecer sozinho ou ser embalado para dormir, podem interferir na precisão dos dados recolhidos.

Portanto, também é importante considerar essas diferenças metodológicas e individuais ao medir o sono infantil.

No geral, uma combinação de abordagens, como a utilização de questionários e diários para uma amostra grande e a validação de dados com actigrafia numa subamostra menor, pode ser mais promissora e, ainda assim, viável.

Entre os estudos revisados onde os dados da actigrafia e do questionário foram coletados ao mesmo tempo, os pesquisadores encontraram associações positivas entre os dados da actigrafia do sono dos bebês e o desenvolvimento cognitivo geral, mas nenhuma descoberta equivalente com os dados do questionário.

No que diz respeito ao ganho de peso, a maioria dos resultados baseia-se em relatórios dos pais e medidas de questionários e apontam em grande parte para uma duração mais curta do sono associada a medidas de tamanho corporal mais elevadas.

Apenas três estudos utilizaram actigrafia e um estudo utilizou um dispositivo de monitoramento do sono e resultaram em resultados conflitantes.

No que diz respeito aos desenhos dos estudos, a maioria dos estudos revisados utilizou desenhos transversais e observacionais com amostras de bebês em diferentes idades.

Isto pode ser uma limitação, uma vez que tanto o sono como o neurodesenvolvimento são muito dependentes da idade e variam entre diferentes fases de desenvolvimento devido à sua natureza altamente dinâmica.

Alternativamente, avaliações longitudinais do sono e do desenvolvimento com medidas repetidas para os mesmos indivíduos em vários momentos podem permitir uma melhor compreensão das trajetórias de desenvolvimento nesses domínios.

Trabalhos futuros beneficiariam de estudos de trajetória com dados objetivos (como actigrafia e polissonografia) desde a infância, para detectar o papel do sono infantil precoce nos resultados posteriores.

Apenas dois dos estudos revisados investigaram o efeito de intervenções relacionadas ao sono e apenas no que diz respeito ao ganho de peso.

Embora o ensaio de intervenção mais longo (1 ano), que teve como alvo múltiplos comportamentos parentais na intervenção, tenha resultado num efeito positivo nos percentis de peso mais baixos para o comprimento com 1 ano de vida, o ensaio mais curto (2 meses), que visou estratégias comportamentais de sono, não mostrou qualquer efeitos nos parâmetros de crescimento aos 6 anos de vida.

Na ausência de um maior conjunto de evidências, não podem ser feitas recomendações; no entanto, as intervenções multicomponentes relacionadas com o sono podem ser promissoras para apoiar ou melhorar o desenvolvimento saudável dos bebés e das crianças.

Notavelmente, alguns estudos não controlaram variáveis de confusão conhecidas, como status socioeconômico, saúde mental materna e parentesco.

efeitos significativos ou efeitos das rotinas da hora de dormir, o que pode explicar algumas das variações nos resultados relacionados à cognição.

Além disso, seria interessante explorar o papel do género no sono e nos resultados do crescimento cognitivo e físico. Foram relatadas diferenças de género no sono e no crescimento; por exemplo, a menor duração do sono foi associada a medidas maiores de tamanho corporal em meninas de 6 meses de idade, mas não em meninos.

Embora o escopo desta revisão tenha excluído estudos sobre distúrbios do sono, foi relatado que condições como sintomas respiratórios de distúrbios do sono levam a diferenças nos resultados cognitivos.

Estudos recentes descobriram que bebês com distúrbios respiratórios do sono ou problemas de ronco primário tiveram pior desempenho nas escalas BSID em comparação com controles da mesma idade.

Portanto, além de compreender o papel do sono do bebê considerado “normal” no desenvolvimento cognitivo e no crescimento físico, pode ser desejável mais pesquisas sobre o impacto dos distúrbios do sono infantil nos resultados cognitivos, comportamentais e de crescimento.

*Fonte: Tham, E., Schneider, N., & Broekman, B. (2017). Infant sleep and its relation with cognition and growth: a narrative review. Nature and Science of Sleep, Volume 9, 135–149

Confira essa animação sobre o sono do bebê

*Legendas em ingles.  

 

Back To Top