skip to Main Content
(11) 3031-6164 (11) 99003-8847

Habilidades de Aprendizagem: Um Olhar sob a Perspectiva Desenvolvimentista

O Desenvolvimento Cognitivo

O domínio cognitivo é definido a partir da capacidade de uma criança ou adolescente de executar tarefas mentais simples a complexas, incluindo manutenção da atenção, processamento mental (velocidade ou alerta), habilidades de pensamento, habilidades de resolução de problemas e julgamento.

O aprendizado começa no útero e progride de maneira bastante previsível ao longo da vida.

Crianças muito pequenas (3 a 5 anos) aprendem através da repetição, tentativa e erro.

Aos 6 a 10 anos, as crianças são consideradas “pensadoras concretas”, em que costumam ver as coisas como “aqui e agora”, “certo ou errado” e “preto ou branco”. Eles geralmente não podem prever os resultados de seus comportamentos e podem não entender as consequências de seus comportamentos ou ações.

Jovens adolescentes (11 a 13 anos) desenvolveram uma capacidade cognitiva mais refinada, que inclui pensamento crítico, resolução de problemas e tomada rápida de decisões. Eles podem entender a intenção e seguir instruções orais e escritas, e podem adotar a perspectiva de outra pessoa. Eles podem ter dificuldade em generalizar ou extrapolar regras e conceitos de situações familiares para situações únicas ou novas.

Habilidades de raciocínio indutivo e dedutivo, lógica preposicional, senso de moralidade e altruísmo, pensamento abstrato, habilidades analíticas e habilidades de transição estão todos nos estágios iniciais do desenvolvimento.

O Desenvolvimento da Linguagem

Crianças em idade pré-escolar (3 a 5 anos) geralmente usam uma fala 100% inteligível para estranhos. A fala telegráfica e as frases de três palavras fazem parte dos comportamentos normais de aprendizagem de fala de uma criança.

Aos 5 anos, têm um vocabulário de cerca de 2500 palavras, podem falar frases de até cinco palavras, usar o tempo futuro, nomear quatro cores e contar 10 ou mais objetos.

Aos 6 anos, seu vocabulário aumenta para cerca de 5000 palavras. Têm alguma dificuldade em entender os homônimos e sua capacidade de compreender frases complexas ou compostas é limitada. Algumas crianças podem usar sons, palavras ou nem sempre usar a gramática correta, que também pode estar dentro da norma, mas se ela persistir após uma correção consistente, uma avaliação da fala pode ser necessária.

Na adolescência intermediária (13 a 15 anos), os jovens podem entender e dar orientações complexas; eles têm a capacidade cognitiva de entender uma gama mais ampla de palavras e seu uso simbólico. Eles entendem homônimos e sinônimos.

Cognitivamente, os jovens se afastam da aquisição para os aspectos cognitivos do desenvolvimento da linguagem; eles entendem a semântica da linguagem e têm a capacidade de usar a linguagem para transmitir diferentes tipos de informações com diferentes níveis de qualidade. Eles podem usar símbolos, sinais e palavras codificadas para entender jogos e instruções.

Desenvolvimento Sensório-Perceptivo

ATENÇÃO

A capacidade de prestar atenção e discriminar entre estímulos relevantes e irrelevantes aumenta com o crescimento e a maturação normais dos sistemas físico, neurológico, cognitivo e emocional da criança.

Os bebês aprendem a assistir olhando nos olhos de sua mãe enquanto se alimentam, observando objetos colocados na frente deles e ouvindo sons familiares em seus ambientes.

Esse processo requer uma interação sofisticada entre os seguintes domínios: processamento visual, auditivo, cinestésico e cognitivo.

Durante a adolescência, a atenção e a memória seletivas são mais bem estabelecidas.

Para que os jovens aprendam a falar, ler e escrever, eles devem ser capazes de detectar estímulos relevantes e sustentar essa atenção por tempo suficiente para reconhecer aspectos essenciais do estímulo.

VISUAL-MOTOR

A capacidade motora visual refere-se ao desenvolvimento normal da acuidade visual, visão colorida, capacidade discriminatória visual e capacidade de rastreamento.

Crianças com menos de 6 ou 7 anos são míopes. Sua capacidade limitada de rastrear objetos e julgar a velocidade dos objetos em movimento é causada por sua visão limitada, e não por uma falta de coordenação.

Aos 10 anos, as crianças têm melhor acuidade visual, capacidade de rastreamento e um nível mais maduro de integração motora-perceptual visual; no entanto, seu senso de direcionalidade ainda não pode ser totalmente desenvolvido.

Jovens pré-adolescentes podem ter problemas com a coordenação “olho-mão”.

No final da adolescência, as habilidades visuais-motoras são bem desenvolvidas e altamente sofisticadas.

AUDITIVO

A audição normal ajuda as crianças a localizar a fonte e a direção dos estímulos auditivos; seguir instruções ou conselhos essenciais (de professores, pais ou outros adultos); e se comunicar com os amigos.

Todas as atividades acadêmicas exigem um nível sofisticado de habilidades auditivas.

A capacidade de ouvir seletivamente amadurece à medida que a criança cresce.

No meio da adolescência, as crianças adquiriram habilidades auditivas bem desenvolvidas.

MOTOR PERCEPTIVO

Os domínios auditivo, cognitivo, cinestésico, de linguagem, físico e visual da criança e a capacidade de planejar funções motoras complexas são influenciados por seu nível de desenvolvimento motor perceptivo.

Esse domínio envolve respostas motoras finas, respostas motoras grossas (incluindo coordenação, equilíbrio e agilidade), tempo de reação e respostas motoras visuais e envolve a capacidade de perceber, interpretar e executar uma resposta neuromotora apropriada a um estímulo.

Desenvolvimento Psicossocial-Emocional

Déficits de desenvolvimento nas habilidades de construção e manutenção de relacionamentos podem impactar os jovens, uma vez que são obrigados a interagir com irmãos ou colegas.

As crianças que não aprendem a se envolver em atividades lúdicas recíprocas saudáveis não desenvolvem as amizades necessárias que as ajudam a desenvolver a capacidade de iniciar relacionamentos íntimos saudáveis.

A convergência da imagem corporal e das habilidades motoras ocorre durante o início da adolescência e os jovens começam a se preocupar com as diferenças físicas percebidas, e os relacionamentos sexuais podem ocupar grande parte do tempo.

Durante a adolescência intermediária (entre 13 e 15 anos), os jovens procuram ativamente aumentar os níveis de independência dos pais e das autoridades.

*Fonte: Helen D. Pratt & Dilip R. Patel. “Learning Disorders in Children and Adolescents”, Prim Care Clin Office Pract 34 (2007) 361–374

Back To Top