skip to Main Content
(11) 3031-6164 (11) 99003-8847
Epilepsia Infantil

Epilepsia Infantil – Perguntas e Respostas sobre Epilepsia

O que é epilepsia infantil?

A epilepsia é um transtorno crônico, caracterizado por crises epilépticas recorrentes.

Crises epilépticas ocorrem por uma disfunção fisiológica temporária do cérebro causada por uma descarga anormal e autolimitada de neurônios corticais.

As crises epilépticas podem se manifestar de diferentes maneiras: fenômenos motores, sensitivos, viscerais e comportamentais, com ou sem alteração da consciência.

As crises epilépticas são comuns na faixa etária pediátrica e ocorrem em aproximadamente 10% das crianças.

Um terço das crianças com crises epilépticas tem Epilepsia.

Por que é importante um Atendimento com Especialista na suspeita de Epilepsia Infantil?

  1. Para determinar se o paciente tem de fato o diagnóstico de epilepsia.
  2. Definir o tipo de epilepsia e identificar a síndrome epiléptica, se possível.
  3. Descobrir a causa subjacente específica.
  4. Escolher o tratamento correto!

Como se faz o Diagnóstico de Epilepsia Infantil?

O diagnóstico de epilepsia é clínico: é através da história contada pelos pais ou responsáveis pela criança/adolescente, pelo próprio paciente ou por quem testemunhou a crise. Como foi a crise? O que a pessoa sentiu? Quais os sintomas que apresentou?

Exames são necessários? 

Os exames também são importantes! o eletrencefalograma (EEG) é o exame mais importante no diagnóstico de epilepsia infantil, pois mostrará a alteração do funcionamento elétrico cerebral, confirmando o diagnóstico e ajudando a entender o tipo de epilepsia.

Mas é importante saber que o eletrencefalograma pode ser NORMAL em pessoas com epilepsia. Isto NÃO significa que a pessoa não tem epilepsia.

Exames de imagem, ressonância magnética do encéfalo ou tomografia de cranio, também são importantes em muitos casos para identificar se há alguma lesão cerebral causando a epilepsia.

Exames de sangue serão importantes no acompanhamento do uso de medicações e na investigação de possíveis causas metabólicas.

Atualmente, os testes genéticos também são uteis para identificar epilepsias de causa genética.

Quais os tipos de tratamento para epilepsia infantil?

O controle das crises epilépticas poderá ser alcançado por diferentes tipos de tratamento, a depender do tipo de epilepsia, da idade do paciente, da causa da epilepsia e de como cada caso responderá aos tratamentos disponíveis.

  • Medicações anti crise tradicionais
  • Dieta cetogênica.
  • Cirurgia para epilepsia.
  • VNS (estimulador do nervo vago)
  • Canabidiol

Qual a melhor medicação para tratar as crises na epilepsia infantil?

Muitos dos casos de epilepsia se iniciam na infância e o tratamento medicamentoso poderá durar um período longo. Então é importante saber escolher a medicação anti-crise adequada a cada caso.

É preciso avaliar o tipo de epilepsia, a característica das crises (focais ou generalizadas), além de fatores como idade, sexo do paciente e presença de outras condições médicas concomitantes.

É importante também diagnosticar o tipo de síndrome epiléptica para orientar como a epilepsia poderá se comportar naquela pessoa.

Algumas formas de epilepsia se apresentam com poucas crises, que se resolvem completamente com ou sem tratamento, outras terão um ótimo controle com a medicação adequada.

Há casos mais refratários, em que não se alcança o controle de crises mesmo com o uso adequado de medicamentos. Para tais casos pode-se considerar alternativas como a cirurgia para epilepsia, dieta cetogênica, estimulação nervo vago (VNS).

Por vezes, além do tratamento anti-crise, é necessário oferecer terapias que forneçam qualidade de vida e auxiliem no desenvolvimento dessas crianças.

Se você tem dúvidas sobre o tratamento de epilepsia infantil, consulte um neuropediatra especialista em epilepsia!

Epilepsia Infantil e Qualidade de Vida: Melhorando o Bem-Estar das Crianças Afetadas

Receber o diagnóstico de epilepsia em uma criança pode ser um desafio para pais e cuidadores. A preocupação com o bem-estar e a qualidade de vida da criança é compreensível, e é essencial saber que, com o apoio adequado, é possível melhorar significativamente a qualidade de vida das crianças afetadas pela epilepsia. Neste artigo, exploraremos estratégias para promover o bem-estar e a qualidade de vida de crianças com epilepsia, oferecendo informações importantes para pais, cuidadores e profissionais de saúde.

Compreendendo a Epilepsia Infantil

Antes de discutir como melhorar a qualidade de vida das crianças com epilepsia, é fundamental compreender a natureza da condição. A epilepsia é caracterizada por convulsões recorrentes devido a atividade elétrica anormal no cérebro. Quando se manifesta em crianças, é conhecida como epilepsia infantil ou epilepsia pediátrica. Cada criança pode experimentar a epilepsia de maneira única, o que requer uma abordagem individualizada para cuidados e apoio.

Estratégias para Melhorar a Qualidade de Vida da Criança com Epilepsia Infantil

  1. Controle das Convulsões: O controle das convulsões é fundamental para melhorar a qualidade de vida da criança. Trabalhe em conjunto com um neurologista pediátrico para encontrar o tratamento mais eficaz, que pode incluir medicamentos antiepilépticos, dieta cetogênica ou cirurgia.
  2. Apoio Educacional Adequado: Garanta que a criança receba educação inclusiva e apropriada. Colabore com a escola para criar um plano de educação individualizado (IEP) ou adaptações curriculares, se necessário.
  3. Apoio Psicológico: Reconheça o impacto emocional da epilepsia na criança e procure apoio psicológico, se necessário. O apoio emocional é fundamental para lidar com o estresse e a ansiedade relacionados à condição.
  4. Estilo de Vida Saudável: Promova um estilo de vida saudável, incluindo uma dieta equilibrada, exercícios físicos adequados e sono de qualidade. Isso pode ajudar a reduzir o estresse e melhorar o bem-estar geral.
  5. Redução do Estigma: Eduque amigos, familiares e colegas de escola sobre a epilepsia para reduzir o estigma e promover um ambiente de aceitação e compreensão.
  6. Rede de Apoio: Busque grupos de apoio locais ou online, onde você possa se conectar com outros pais e cuidadores que enfrentam desafios semelhantes. Compartilhar experiências e estratégias pode ser reconfortante e informativo.
  7. Autonomia e Autoestima: Incentive a criança a desenvolver sua autonomia e autoestima. Ajude-a a compreender sua condição e a importância do tratamento, capacitando-a a tomar medidas para seu próprio bem-estar.
  8. Planejamento para Emergências: Esteja preparado para lidar com convulsões de maneira segura e eficaz. Mantenha um plano de ação para situações de emergência e eduque pessoas próximas sobre como agir.

A epilepsia infantil não deve definir o destino de uma criança. Com o apoio adequado, é possível melhorar significativamente a qualidade de vida das crianças afetadas pela condição. O controle das convulsões, o apoio educacional, o suporte emocional e um estilo de vida saudável são elementos essenciais para promover o bem-estar dessas crianças. Pais, cuidadores e profissionais de saúde desempenham papéis cruciais nessa jornada para garantir que as crianças com epilepsia alcancem seu pleno potencial e desfrutem de uma vida plena e feliz.

Para saber mais: Epilepsy Foundation

 

Back To Top